« Mozambique is suffering a military expression of a political problem »

An interview with historian Michel Cahen for the Rosa Luxemburg Foundation Southern Africa / Fredson Guilengue

Lamenparle remercie la Fondation Rosa Luxembourg pour l’avoir autorisé à publier cet entretien, disponible dans sa version originale ici http://www.rosalux.co.za/wp-content/uploads/2016/05/2016-Mozambique-Military-Expression-Political-Problem-IP-01_2016.pdf


Mozambique is currently facing one of the most challenging tests of its capacity to resolve the country’s political, economic and social challenges.

Politically, a ceasefire agreement signed between the Government of Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) and the main opposition party, the Resistência Nacional de Moçambique (RENAMO) on 24 August 2014 was short-lived. It only served to clear the way for the country’s general elections on 15 October 2014, at which time the highly contested results by RENAMO brought about another round of military conflict. Continuer la lecture de « « Mozambique is suffering a military expression of a political problem » »

Aceitar a história : e democratizar todas as regiões de Moçambique

Publié originellement dans l’hebdomadaire Savana (Maputo), n° 1108, 3 avril 2015, pp. 14-15. LAM remercie la rédaction de Savana pour l’autorisation.

Mozambique MC

A recente renúncia do Presidente Armando Guebuza abre possibilidades de uma nova ronda negocial entre a Renamo e o Governo, mas não resolve em si os problemas decorrentes da invenção de um novo tipo de nação para Moçambique. Esses problemas vêm de muito longe. Com efeito, a tradição política da Frelimo é a de uma nação homogênea – tradição feita de uma mistura entre uma herança franco-jacobina vinda da Revolução de 1789 que influenciou profundamente os movimentos de emancipação do terceiro mundo, a cultura política nacional portuguesa e o dito “marxismo-leninismo”. Se não é mais possível sustentar o tríptico “Um só povo, uma só nação, um só partido”, pode-se dizer que pelo menos o díptico “Um só povo, uma só nação” perdura nos mitos políticos. Ora, isso em nada corresponde nem à história moçambicana desde o final do século XIX, nem à sociedade produzida por essa história.

Um espaço chamado “Moçambique”

Como se sabe, o espaço “Moçambique” é o fruto de rivalidades interimperialistas resolvidas com a fixação das fronteiras em 1891, que delimitaram um território sem relação alguma com as aéreas das nações pré-coloniais africanas. Isto ainda se vê bem hoje: a grande maioria das comunidades que os recenseamentos chamam de “grupos linguísticos” continua do outro lado das fronteiras. É por isso que o Portugal colonial defendia o slogan “Moçambique só é Moçambique porque é Portugal”: tinha que negar as identidades africanas, tinha que considerar os africanos como uma massa indistinta de indivíduos sem nenhuma organização social (além de “selvagem”) para justificar a sua própria presença, não revelando sua verdadeira face de invasor de nações estrangeiras. Obviamente, o problema agravou-se no final do século XIX.

Durante a primeira idade colonial – mercantil e escravocrata – e antes da grande viragem para a segunda idade colonial – capitalismo colonial –, Portugal não precisava de uma ocupação efetiva do território. Moçambique não era um novo Brasil, apesar dos dizeres de alguns sonhadores em Lisboa. Caravanas portuguesas (com portugueses muitas vezes de cor negra ou mestiça) podiam avançar muito no interior, prazos da coroa podiam representar oficialmente esta coroa enquanto que permaneciam quase independentes: o importante era a presença de feitorias e fortalezas na costa ou em alguns rios. A capitania-geral de Moçambique que, até 1753, era uma colônia do vice-reinado português de Goa, fazia parte da esfera econômica, social e cultural do Índico, onde as influências portuguesa, indiana, árabe, suaíle e bantú misturavam-se, com a capital sediada na Ilha de Moçambique e o centro de gravidade na Zambézia (uma Zambézia histórica mais costeira, porém mais extensa do que a atual). Continuer la lecture de « Aceitar a história : e democratizar todas as regiões de Moçambique »

« Se nos roubar, vamos queimar! »* Vers une nouvelle guerre civile au Mozambique?

Mozambique1

En 1994, la COFACE (Compagnie française pour l’assurance du commerce extérieur) voulait savoir si la Mozal, une électrométallurgie de la bauxite fondée sur la main d’œuvre bon marché mozambicaine, l’électricité importée d’Afrique du Sud, le minerai venant d’Australie et l’aluminium revendu immédiatement au Japon – bref, un schéma parfaitement colonial – serait viable et si la guerre civile allait reprendre dans les douze ans. Telle était la durée de sa garantie. Avec un autre collègue de LAM (qui se reconnaîtra), nous avions garanti que la guerre civile ne reprendrait pas au cours de ce délai et que l’environnement régional serait favorable. Nous ne nous sommes pas trompés. Même si la Renamo (Resistência nacional de Moçambique), l’ancienne rébellion appuyée par l’apartheid pour combattre le Frelimo (Frente de libertação de Moçambique) « marxiste-léniniste » pendant la terrible guerre civile de 1977 à 1992 estime avoir toujours perdu les élections par la fraude – ce qui me semble au moins partiellement vrai, notamment en 1999 – et n’a jamais rien obtenu du gouvernement par la négociation pendant des années, il aurait été suicidaire pour elle de recourir à nouveau aux armes grâce aux quelques centaines de soldats qu’elle n’avait jamais démobilisés. La société mozambicaine voulait vivre dans la paix et, plutôt que d’amnistie, avait besoin d’amnésie. Continuer la lecture de « « Se nos roubar, vamos queimar! »* Vers une nouvelle guerre civile au Mozambique? »