Tous les articles par mcahen

Desconcentração, descentralização ou democratização? O olhar de Michel Cahen

Entrevue de Michel Cahen par Francisco Carmona, publiée dans l’hebdomadaire mozambicain Savana, n° 1259, 23 février 2018, pp. 1-4. Publié sur LAMenparle avec l’aimable autorisation de Savana.

Entrevista_Savana_230218
Entrevista_Savana_230218

 Conhecedor profundo da realidade moçambicana, o académico e historiador francês Michel Cahen não tem dúvidas, em entrevista ao SAVANA, de que foi a pressão política e militar exercida pela Renamo que obrigou o Presidente da República, Filipe Nyusi, a propor à Assembleia da República mudanças no processo de descentralização do país.
“Constato que é o facto de a Renamo ter adoptado uma estratégia político-militar que obrigou o poder da Frelimo a negociar. Era essa a única maneira? Penso que não”, defende Michel Cahen.
Sobre um dos aspectos mais polémicos da proposta de revisão constitucional apresentada por Filipe Nyusi à Assembleia da República, a eleição indirecta dos presidentes de município, o académico francês aplaude essa inovação, assinalando que a eleição directa de um dirigente por sufrágio directo não é obrigatoriamente democrática.
Michel Cahen descreve como “cancro da vida política de Moçambique” o facto de até agora o “vencedor ficar com tudo” nos processos eleitorais. Siga as reflexões de Cahen, numa entrevista feita electronicamente.

 

Quarenta e oito horas depois da comunicação à nação sobre os entendimentos com o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, o Presidente da República (PR), Filipe Nyusi, submeteu, à Assembleia da República (AR) a proposta que cria um novo figurino de descentralização em Moçambique. Acha que esse novo figurino pode ajudar a reduzir os conflitos pós-eleitorais?

Numa entrevista dada em Outubro de 2016, tinha dito que “não haverá negociações antes de 2019”. Formalmente, errei e estou muito contente por ter errado! No entanto, o que queria dizer era que só a aproximação das eleições de 2019 poderia provocar discussões a sério entre o governo da Frelimo e a Renamo. Não tinha, então, em mente, a decisão da Renamo de participar, pela primeira vez desde 2003, nas eleições autárquicas de Outubro de 2018. O Presidente Filipe Nyusi submeteu à Assembleia da República uma proposta que cria, pelos menos oficialmente, um novo figurino de descentralização em Moçambique e você me pede para me pronunciar sobre se isso é capaz de reduzir os conflitos pós-eleitorais. Penso que pode ajudar a diminuir os conflitos pré-eleitorais. Com efeito, a proposta do Presidente Nyusi está muito longe de poder satisfazer a Renamo, é muito mais uma desconcentração do Estado do que uma descentralização democrática. Descentralização quer dizer que doravante haverá policentrismo, vários poderes. Não é o problema de a nação ser unitária, é o problema de o poder político ficar em grande medida único, embora com algumas novas concessões. É um compromisso: nem a Frelimo, nem a Renamo queriam o que o presidente Nyusi propôs. Mas do lado da Renamo, era o mínimo para permitir que – se que os assuntos militares fossem resolvidos também – o presidente Dhlakama saia do mato e que a Renamo participe activamente nas eleições autárquicas que, para ela, são um treino para as eleições gerais de 2019. Quero dizer: vejo só uma razão para o presidente Dhlakama ter aceite este compromisso minimalista: é a possibilidade de reintegração completa da Renamo na arena política. Isso porque, suponho, ele está certo de poder ganhar em 2019. Pois, tem mesmo que sair do mato. Se não houver mais esquadrões de morte, isto vai permitir uma intensificação de uma vida política civil e pacífica, a não ser que, vendo um verdadeiro perigo de perder em 2019, a Frelimo siga um caminho de “mugabização” e de violência pré-eleitoral. Mas como se diz em francês, minha língua: “o pior nunca é certo!”.

Sectores da sociedade civil rejeitam a pretensão de mudanças na eleição do presidente do conselho municipal de directa para indirecta. Entendem que se trata de um total retrocesso da democracia em Moçambique. O professor tem o mesmo entendimento?

Não concordo, acho isso muito bom. Moçambique manteve a tradição colonial portuguesa de, nas eleições autárquicas, haver um duplo processo: eleição da assembleia municipal e eleição da câmara municipal. Mas o dualismo que é indispensável ao topo do Estado (distinguindo o poder legislativo e o poder executivo) não faz sentido na base: um município não faz leis, faz editais que respeitem as leis. Pois a dualidade não só não é útil, mas provoca conflitos entre os dois corpos. Além disso, a eleição directa de um dirigente por sufrágio directo não é obrigatoriamente democrática. A tradição da esquerda francesa – meu campo de pensamento – foi sempre contra a eleição directa do presidente da República por sufrágio directo. Porquê? Porque isso dá a esse presidente – uma pessoa só – um peso tão importante como o das centenas de deputados da Assembleia e nutra a tendência que nós achamos de bonapartismo (de Napoleão Bonaparte, o nosso famoso imperador e ditador francês). É muito melhor um poder legislativo forte, que possa controlar o poder executivo. Como significa o termo, um poder executivo deve executar o que foi democraticamente concebido pela assembleia pluralista. No nível das autarquias, o perigo de “pequenos bonapartes” pode ser considerado como de pouca importância, mas não é o caso: nutra em particular o clientelismo. É possivelmente disso que morreu o presidente da câmara de Nampula (Mahamudo Amurane). Em França, os presidentes dos municípios são eleitos pelas assembleias, no seu seio (não há Câmara), e depois, o presidente nomeia, sempre no seio da Assembleia, os seus vereadores. O presidente está, por isso, sob o controlo da assembleia municipal em vez de constituir um poder paralelo. Neste ponto, acho a proposta do Presidente Nyusi excelente, é um progresso na democratização do país, sobretudo se o modelo municipal estar por se expandir à totalidade do país.

Mas uma eleição indirecta não “mata” figuras que valem por si só (acima dos partidos) como é o caso de Manuel de Araújo (Quelimane), Daviz Simango (Beira), Venâncio Mondlane (Maputo) e potenciais amuranes em Nampula? Não é uma estratégia da Frelimo para recuperar municípios sob gestão da oposição?

Se a lei que vai passar no Parlamento bem é que é a Assembleia municipal que elege o presidente do município, e não o partido vencedor que nomeia-o (mesmo como maioria relativa, como é proposto para os Governadores de província), penso que este perigo que você aponta não existe, até ao contrário. Sabendo da nova legislação, candidatos independentes, ou de pequenos partidos locais, organizar-se-ão, formando listas de cidadãos independentes e apresentaram-se às eleições com os mesmos direitos que as listas dos partidos. Se os partidos forem inteligentes – claro que não há garantia nisso… –, no caso de uma personalidade local que “vale mais que o partido” (você evoca o caso de Venâncio Mondlane em Maputo), vão ser obrigados a abrir largamente as suas listas a pessoas não membros deste partido. E muitas vezes, se um candidato, mesmo membro de um partido, for também mais potente localmente que o seu partido, este candidato vai influenciar a delegação local do partido, autonomizando-a parcialmente relativamente ao partido nacional. Acha que o MDM tem interesse em romper com Manuel de Araújo em Quelimane? Claro que não! Um Manuel de Araújo, em Quelimane não está em nada em perigo por causa do novo dispositivo e tem larga margem de manobra dentro do MDM. As últimas eleições na Beira comprovaram o que digo: nas autárquicas de 2013, Deviz Simango teve muitas mais votos para ser presidente da Câmara que, no ano a seguir, nas presidências. Os eleitores não são tontos: adaptam os seus votos consoante o objetivo. Neste caso, queriam Deviz Simango como presidente da Câmara mas não queriam Devis Simango candidato do MDM para presidência da República. Não vejo bem como é que a Frelimo aproveitava, mais que os outros partidos, este novo dispositivo.

Acha que caso passe a proposta de nomeação/eleição de governadores provinciais e administradores distritais pode acabar com a política do “the winner-takes-all”, que tem sido uma ameaça à democracia em Moçambique?

O conceito de “o vencedor leva tudo” foi o cancro da vida política de Moçambique pós Acordos de Roma (1992). Os eleitores da Zambézia bem podiam sempre votar a favor da oposição, sempre o governador era da Frelimo, a totalidade dos administradores de distrito eram da Frelimo, a totalidade dos chefes de posto, a totalidade das autoridades comunitárias reconhecidas eram da Frelimo (quantos chefes tradicionais abertamente pró-Renamo foram reconhecidos neste país?), os chefes dos departamentos eram da Frelimo, os 7 milhões eram para os amiguinhos da Frelimo, etc. Isso nutriu a exasperação e o absentismo eleitoral de massa e o perigo de nova guerra em 2014-2015, porque havia uma massa considerável de jovens muito pobres sem esperança alguma de poder mudar a situação pela via pacífica. Se o presidente Dhlakama levantava um dedo, podia haver uma revolta violentíssima em certas partes do país. Mas o que muita gente não entende é que o presidente Dhlakama é um moderado e ele não levantou o dedo.

Pois é preciso acabar com o “the winner-takes-all”. Num Estado unitário, isto é um Estado dentro do qual, em todo o país, vigora a mesma lei – não há “regiões autónomas” – municípios, distritos, regiões muito bem podem ser geridos pela oposição, porque essa oposição obviamente vai obedecer às leis do Estado unitário. A oposição não põe em perigo a unidade nacional pela simples razão de que a oposição faz parte da nação tal e qual como a Frelimo. Unidade da nação não é unicidade do poder político. É assim em todos os grandes países democráticos, incluídos os unitários como a França, sem falar dos federais como a Alemanha ou o Brasil.

Agora a proposta traz muitos problemas: o governador não é eleito pela assembleia provincial, é proposto pelo partido vencedor nela e é nomeado pelo Presidente da República. Nisso há conservadorismo: com efeito, continua a vigorar o velho conceito de que o governador não é o representante da população da província junto ao governo central, mas fica o representante do poder central junto à população da província. O Presidente da República pode exonerar um governador proposto por larga maioria por uma assembleia. O governador, é verdade, responde perante a assembleia, mas é nomeado pelo poder central, pois deve satisfazer também a ele. Vejo muito bem um governador da Renamo a fazer a política da Frelimo. Temos muitos conflitos em vista, incluindo dentro da própria Renamo.

No entanto, é preciso ver isso numa dinâmica: se houver um governador da Renamo, já nem todos os administradores de distritos ou chefes de posto vão ser da Frelimo. E isso vai mudar muito, as populações vão dizer: “as estruturas agora podem ser da Renamo?” Só isso já é uma potencial revolução cultural neste país.

Entende que o modelo de um governador proposto pelo partido vencedor na província e nomeado pelo Presidente da República é o ideal?

A meu ver, o governador não devia ser proposto pelo partido vencedor numa província, mas eleito pela Assembleia provincial. Não é a mesma coisa. Imaginemos uma província onde a Frelimo é vencedora com 45% dos deputados, depois vem a Renamo com 43%, depois vem o MDM com 12%. Se entendi bem a proposta actual, é a Frelimo que propõe o nome do governador. Se fosse a assembleia a fazer a proposta, uma aliança entre a Renamo e o MDM faria com que essa coligação fizesse a proposta. Num caso, haverá um governador da Frelimo, embora este partido não tenha a maioria na assembleia, com instabilidade, no outro caso, provavelmente, um governador da Renamo num executivo provincial de coligação, tendo a maioria na assembleia, com estabilidade.

Então o que deve prevalecer? Uma maioria absoluta para a assembleia propor um governador?

Sim, uma maioria absoluta, mas que pode provir de uma coligação dentro da Assembleia, mesmo que os partidos se tivessem apresentado separadamente ao escrutínio, como no exemplo teórico que acabei de frisar. E insisto: devia ser uma eleição, não uma mera “proposta”. Precisamente porque o novo dispositivo prevê que haja, em cada província, um Secretário de Estado diretamente nomeado pelo poder central, não se entende porquê é que o Governador também devia ser nomeado pelo mesmo poder central. O fato de o Governador ser realmente eleito pela Assembleia provincial não é antagônico ao Estado unitário, porque todos os Governadores, quaisquer que forem sua filiação partidária, deverão obedecer à mesma lei nacional.

A indicação de um Secretário de Estado não pode concorrer para a existência de conflitos institucionais, sobretudo, em províncias onde o governador não é do mesmo partido que o Secretário de Estado?

Claro que sim! Vejam-se os conflitos permanentes nos municípios vencidos pela oposição, mas nem só aqueles! A transferência das competências e das verbas correspondentes do governo do distrito para o município está sempre atrasada e parcial! Diz-se que os municípios não têm os funcionários qualificados para assumir isso. Mas aqui voltamos ao “o vencedor leva tudo”. Com efeito, a transferência de competências deveria ser acompanha pela transferência de funcionários públicos sempre assalariados pelo Estado, mas em regime de destacamento nos municípios. Não são eles pagos pelos impostos dos cidadãos? Porquê é que um funcionário do distrito não poderia ir trabalhar para o município, continuando recebendo o seu salário do Estado? Os funcionários públicos não são propriedade do Estado central, são propriedade do povo. O Estado continua a considerar os municípios como algo de estrangeiro, algo de exterior. Mas os municípios também são estruturas do Estado (pelo menos no sentido de Marx), são estruturas descentralizadas do Estado e não só desconcentradas. O Estado não é só o governo, é a totalidade das instituições públicas encarregadas de gerir o país.

Pois o que é previsto nas regiões, mais tarde nos distritos, e o que vai continuar nos municípios, isso é um perigo de guerrinhas permanentes entre o Estado central (cujos escalões desconcentrados terão os orçamentos e os funcionários) e as estruturas descentralizadas (que terão a legitimidade popular local).

Qual é o modelo ideal?

Não há. Mas penso que se deve sair da mera dicotomia centralização/descentralização para entrar numa dinâmica de democratização. A descentralização (mesmo se for bem disso que se trata e não somente de uma desconcentração) não é suficiente. Muitos países africanos já têm décadas de experiencias de descentralização, frequentemente imposta pelo Banco Mundial. Muitas vezes, isso permitiu antes de mais a recomposição do poder central e o fortalecimento do clientelismo. Um governador, um presidente de câmara, um gestor de distrito eleitos devem também poder ser exonerados. Por exemplo, se 10% dos eleitores o exigirem, deve haver novas eleições: vão me dizer que isso vai produzir uma instabilidade permanente e um custo enorme. Não é, pois na realidade concreta é muito difícil conseguir 10% dos habitantes num abaixo-assinado com identidades comprovadas por exemplo pelo cartão de eleitor (que, sendo gratuito, é muito mais generalizado que o bilhete de identidade). Continuer la lecture de Desconcentração, descentralização ou democratização? O olhar de Michel Cahen

« Mozambique is suffering a military expression of a political problem »

An interview with historian Michel Cahen for the Rosa Luxemburg Foundation Southern Africa / Fredson Guilengue

Lamenparle remercie la Fondation Rosa Luxembourg pour l’avoir autorisé à publier cet entretien, disponible dans sa version originale ici http://www.rosalux.co.za/wp-content/uploads/2016/05/2016-Mozambique-Military-Expression-Political-Problem-IP-01_2016.pdf


Mozambique is currently facing one of the most challenging tests of its capacity to resolve the country’s political, economic and social challenges.

Politically, a ceasefire agreement signed between the Government of Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) and the main opposition party, the Resistência Nacional de Moçambique (RENAMO) on 24 August 2014 was short-lived. It only served to clear the way for the country’s general elections on 15 October 2014, at which time the highly contested results by RENAMO brought about another round of military conflict.

Economically, the national currency, Metical, has been consistently devaluing against, for example, the South African Rand, the American Dollar and the Euro, when potential gains from newly discovered resources (e.g. offshore gas) have failed to produce any tangible improvement to people’s lives. This, in conjunction with the discovery of hidden debt of 1, 4 billion USD, led partners like the International Monetary Fund (IMF), the World Bank (WB) and the British to suspend further financial aid to the country. It is therefore expected that these political and economic developments will lead to political upheaval if the Government does not address questions fast and adequately.1

To better understand Mozambique’s current political developments from a political-historical perspective, Fredson Guilengue, Programme Manager at the Rosa Luxemburg Stiftung Southern Africa (RLS) interviewed historian Michel Cahen (MC). Michel Cahen is an authority on Portuguese colonisation in Africa and a political analyst of Portuguese speaking African Countries (PALOPs). He is the Director of Research at the Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS) at “Les Afriques dans le monde” Research Centre at the Institute for Political Studies in Bordeaux, France. As an accredited historian of Mozambican and Angolan contemporary history, Cahen has written extensively on Mozambique’s political developments.

RLS : Mozambique’s electoral processes have always been highly contested due to allegations of electoral fraud by the ruling party Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) as well as other factors, including a general perception that political power should alternate between parties to achieve a mature democracy. To what extent do frelimo’s victories threaten de facto  democratic development in Mozambique ?

MC : This is a complex question as it must be viewed in different historical periods. Despite the fact that the anticolonial liberation war was carried out in probably no more than fifteen percent of the country’s territory (an aspect that in terms of a guerrilla-like war is already very significant), there should be no doubt that at independence in 1975, if the country had not opted for a single-party state system, FRELIMO would still have had an eighty percent chance of winning. FRELIMO had the necessary legitimacy of the gun ; it had defeated the Portuguese and it was a liberation movement for independence.

However, the single-party system severely divided the Mozambican population. With the fusion of party and state there was no space for any independent structure to correct mistakes. Only the highest structures within FRELIMO were allowed to criticise the government. An example of this was the famous Samora Machel’s presidential “offensive” in 1983.2 This was the highest structure putting pressure on the medium structures of the state hierarchy. It was also followed by the paradigm of  authoritarian  modernisation  without any social gains for the sector of the population defended by FRELIMO. This paradigm expressed the idea that the peasantry had to be forcefully modernised by living in rural cities, the so-called “communal villages”. The consequence of building these villages was an agronomic, cultural and political catastrophe for the country and deeply divided the Mozambican population. The civil war in Mozambique was not a peasant revolution, but the peasants used the structures of the guerrilla, introduced by outsiders, to protect themselves against the state foisting authoritarian modernisation upon them.

There is an intense political culture instilled by FRELIMO in which electoral fraud emerges as a local responsibility. A local party member does not require any orientation from the central committee to organise electoral fraud. The member engages in this type of activity because the premise is that RENAMO should never be allowed to win. A doctorate student of mine from Mozambique who conducted a study in the south of the country explained how a relative of his, who was an electoral officer at a voting station, destroyed ballots to prevent the opposition from winning. So for me the real question to ask would be to what extent did fraud affect electoral results in Mozambique ? It is also very difficult to report fraud because FRELIMO possesses more qualified staff than the other parties and controls the entire state apparatus. Although the Movimento Democrático de Moçambique (MDM) also has qualified cadres, it is still a small party.3 RENAMO is a powerful party but suffers a severe lack of personnel. Thus, at many voting stations RENAMO or MDM observers were either not properly trained, had been freshly recruited just prior to the process, or could even have been appointed by FRELIMO. Continuer la lecture de « Mozambique is suffering a military expression of a political problem »

  1. The International Monetary Fund (IMF), the World Bank (WB), the United Kingdom and a group of 14 other direct supporters of the Mozambican budget, have recently suspended financial aid to the country due to a highly controversial commercial loan from the Credit Suisse Bank and the Russian VTB recently uncovered by the international press and acknowledged by the Government of Mozambique. The debt is estimated to be in excess of 1, 4 billion dollars and forms part of extensive loans by the Government of Mozambique between 2009 and 2014 which were neither disclosed to parliament nor to its international aid partners. According to the Government, it withheld the information fearing that its opponent in a civil war, RENAMO, would have access to sensitive information. However, it is now known that, while part of these funds were used to acquire military equipment, a very substantial amount simply disappeared.  []
  2. In the 80’s FRELIMO adopted a strategy of self-criticism to reinforce its authority and leadership. Thus Samora Machel, both president of the party and the country (1975-1986), led the so-called “Presidential Campaigns”. These campaigns, also meant to introduce reforms and change, included : the 1976 Production Offensive ; the 1978 Campaign to build the party organisation and the 1980 Presidential Offensive against corruption; etc. (see: Newitt 1995). Marlyn Newitt, A History of Mozambique (London: Hurst & Company, 1995), 545.  []
  3. The Movimento Democrático de Moçambique (MDM) was formed in March 2009 as a splinter movement comprising ex-RENAMO members and supporters under the leadership of Daviz Mbepo Simango, the mayor of Beira, Mozambique’s second largest city. Today it is the third most important opposition party in Mozambique.      []

Aceitar a história : e democratizar todas as regiões de Moçambique

Publié originellement dans l’hebdomadaire Savana (Maputo), n° 1108, 3 avril 2015, pp. 14-15. LAM remercie la rédaction de Savana pour l’autorisation.

Mozambique MC

A recente renúncia do Presidente Armando Guebuza abre possibilidades de uma nova ronda negocial entre a Renamo e o Governo, mas não resolve em si os problemas decorrentes da invenção de um novo tipo de nação para Moçambique. Esses problemas vêm de muito longe. Com efeito, a tradição política da Frelimo é a de uma nação homogênea – tradição feita de uma mistura entre uma herança franco-jacobina vinda da Revolução de 1789 que influenciou profundamente os movimentos de emancipação do terceiro mundo, a cultura política nacional portuguesa e o dito “marxismo-leninismo”. Se não é mais possível sustentar o tríptico “Um só povo, uma só nação, um só partido”, pode-se dizer que pelo menos o díptico “Um só povo, uma só nação” perdura nos mitos políticos. Ora, isso em nada corresponde nem à história moçambicana desde o final do século XIX, nem à sociedade produzida por essa história.

Um espaço chamado “Moçambique”

Como se sabe, o espaço “Moçambique” é o fruto de rivalidades interimperialistas resolvidas com a fixação das fronteiras em 1891, que delimitaram um território sem relação alguma com as aéreas das nações pré-coloniais africanas. Isto ainda se vê bem hoje: a grande maioria das comunidades que os recenseamentos chamam de “grupos linguísticos” continua do outro lado das fronteiras. É por isso que o Portugal colonial defendia o slogan “Moçambique só é Moçambique porque é Portugal”: tinha que negar as identidades africanas, tinha que considerar os africanos como uma massa indistinta de indivíduos sem nenhuma organização social (além de “selvagem”) para justificar a sua própria presença, não revelando sua verdadeira face de invasor de nações estrangeiras. Obviamente, o problema agravou-se no final do século XIX.

Durante a primeira idade colonial – mercantil e escravocrata – e antes da grande viragem para a segunda idade colonial – capitalismo colonial –, Portugal não precisava de uma ocupação efetiva do território. Moçambique não era um novo Brasil, apesar dos dizeres de alguns sonhadores em Lisboa. Caravanas portuguesas (com portugueses muitas vezes de cor negra ou mestiça) podiam avançar muito no interior, prazos da coroa podiam representar oficialmente esta coroa enquanto que permaneciam quase independentes: o importante era a presença de feitorias e fortalezas na costa ou em alguns rios. A capitania-geral de Moçambique que, até 1753, era uma colônia do vice-reinado português de Goa, fazia parte da esfera econômica, social e cultural do Índico, onde as influências portuguesa, indiana, árabe, suaíle e bantú misturavam-se, com a capital sediada na Ilha de Moçambique e o centro de gravidade na Zambézia (uma Zambézia histórica mais costeira, porém mais extensa do que a atual). Continuer la lecture de Aceitar a história : e democratizar todas as regiões de Moçambique

« Se nos roubar, vamos queimar! »* Vers une nouvelle guerre civile au Mozambique?

Mozambique1

En 1994, la COFACE (Compagnie française pour l’assurance du commerce extérieur) voulait savoir si la Mozal, une électrométallurgie de la bauxite fondée sur la main d’œuvre bon marché mozambicaine, l’électricité importée d’Afrique du Sud, le minerai venant d’Australie et l’aluminium revendu immédiatement au Japon – bref, un schéma parfaitement colonial – serait viable et si la guerre civile allait reprendre dans les douze ans. Telle était la durée de sa garantie. Avec un autre collègue de LAM (qui se reconnaîtra), nous avions garanti que la guerre civile ne reprendrait pas au cours de ce délai et que l’environnement régional serait favorable. Nous ne nous sommes pas trompés. Même si la Renamo (Resistência nacional de Moçambique), l’ancienne rébellion appuyée par l’apartheid pour combattre le Frelimo (Frente de libertação de Moçambique) « marxiste-léniniste » pendant la terrible guerre civile de 1977 à 1992 estime avoir toujours perdu les élections par la fraude – ce qui me semble au moins partiellement vrai, notamment en 1999 – et n’a jamais rien obtenu du gouvernement par la négociation pendant des années, il aurait été suicidaire pour elle de recourir à nouveau aux armes grâce aux quelques centaines de soldats qu’elle n’avait jamais démobilisés. La société mozambicaine voulait vivre dans la paix et, plutôt que d’amnistie, avait besoin d’amnésie. Continuer la lecture de « Se nos roubar, vamos queimar! »* Vers une nouvelle guerre civile au Mozambique?