Archives par mot-clé : guerre civile

Aceitar a história : e democratizar todas as regiões de Moçambique

Publié originellement dans l’hebdomadaire Savana (Maputo), n° 1108, 3 avril 2015, pp. 14-15. LAM remercie la rédaction de Savana pour l’autorisation.

Mozambique MC

A recente renúncia do Presidente Armando Guebuza abre possibilidades de uma nova ronda negocial entre a Renamo e o Governo, mas não resolve em si os problemas decorrentes da invenção de um novo tipo de nação para Moçambique. Esses problemas vêm de muito longe. Com efeito, a tradição política da Frelimo é a de uma nação homogênea – tradição feita de uma mistura entre uma herança franco-jacobina vinda da Revolução de 1789 que influenciou profundamente os movimentos de emancipação do terceiro mundo, a cultura política nacional portuguesa e o dito “marxismo-leninismo”. Se não é mais possível sustentar o tríptico “Um só povo, uma só nação, um só partido”, pode-se dizer que pelo menos o díptico “Um só povo, uma só nação” perdura nos mitos políticos. Ora, isso em nada corresponde nem à história moçambicana desde o final do século XIX, nem à sociedade produzida por essa história.

Um espaço chamado “Moçambique”

Como se sabe, o espaço “Moçambique” é o fruto de rivalidades interimperialistas resolvidas com a fixação das fronteiras em 1891, que delimitaram um território sem relação alguma com as aéreas das nações pré-coloniais africanas. Isto ainda se vê bem hoje: a grande maioria das comunidades que os recenseamentos chamam de “grupos linguísticos” continua do outro lado das fronteiras. É por isso que o Portugal colonial defendia o slogan “Moçambique só é Moçambique porque é Portugal”: tinha que negar as identidades africanas, tinha que considerar os africanos como uma massa indistinta de indivíduos sem nenhuma organização social (além de “selvagem”) para justificar a sua própria presença, não revelando sua verdadeira face de invasor de nações estrangeiras. Obviamente, o problema agravou-se no final do século XIX.

Durante a primeira idade colonial – mercantil e escravocrata – e antes da grande viragem para a segunda idade colonial – capitalismo colonial –, Portugal não precisava de uma ocupação efetiva do território. Moçambique não era um novo Brasil, apesar dos dizeres de alguns sonhadores em Lisboa. Caravanas portuguesas (com portugueses muitas vezes de cor negra ou mestiça) podiam avançar muito no interior, prazos da coroa podiam representar oficialmente esta coroa enquanto que permaneciam quase independentes: o importante era a presença de feitorias e fortalezas na costa ou em alguns rios. A capitania-geral de Moçambique que, até 1753, era uma colônia do vice-reinado português de Goa, fazia parte da esfera econômica, social e cultural do Índico, onde as influências portuguesa, indiana, árabe, suaíle e bantú misturavam-se, com a capital sediada na Ilha de Moçambique e o centro de gravidade na Zambézia (uma Zambézia histórica mais costeira, porém mais extensa do que a atual). Continuer la lecture de Aceitar a história : e democratizar todas as regiões de Moçambique